Domingo, 31 de Agosto de 2008

 

 



publicado por Sou às 23:56
Segunda-feira, 04 de Agosto de 2008

 

 

 

 

Tenho ouvido bastante esta queixa em consultório: “sinto um vazio dentro de mim”.

O que é este vazio?

Muitas vezes as pessoas conseguem definir em palavras simples o que acontece em seu corpo energético. Este vazio é descrito “como se fosse um buraco”. Um “buraco” diz respeito a “algo que está faltando, que não está lá”. A palavra vazio também nos dá esta idéia. Então, o que não está lá? O que está faltando?

Estas pessoas sempre estão buscando alguma fonte que preencha o vazio que sentem: namorado, marido, pais, filhos, cachorro, sociedade, etc. São pessoas que exigem amor, fazem “de tudo pelo outro”, em troca de reconhecimento, atenção, valorização. Porém, nunca estão saciados, nunca é o suficiente.

E assim,
O amor que lhes falta é o amor que eles mesmos não se dão.
O reconhecimento que buscam é a falta de reconhecer em si suas qualidades.
A atenção que querem é a precária atenção que dão a si mesmos.
A valorização que sofridamente esperam do outro é a auto-valorização que ainda não desenvolveram.

Ao buscar no outro, deixam de desenvolver em si aquilo que vai realmente preencher o vazio que sentem. E assim, o que conseguem, nunca será suficiente, pois o que buscam no outro é exatamente aquilo que deixaram de se dar.

Reconhecemos estas pessoas com frases como: “Faço tudo por você e olha como você me paga!”, “Por que ninguém me dá valor?” ou “Tudo o que eu quero é reconhecimento!”

E assim criamos uma dependência emocional. É como um vício. Buscamos no outro o que precisamos.

Para que possamos reverter o estado de dependência emocional é muito importante que estejamos realmente dispostos a mudar, uma vez que há pessoas que não estão dispostas a tomar as rédeas da própria vida e sair desta dependência. É mais fácil depender dos outros.

Muitas vezes tenho observado que cria-se um padrão de comportamento que automaticamente é seguido. Para mudar, precisamos nos perceber dentro deste padrão e cortar o ciclo. Não é fácil, mas é importante tentar.

Algumas dicas podem ajudar:

Estratégia errada
Você já percebeu que a estratégia que você usou durante toda sua vida, buscando no outro o que você precisa desenvolver em você, está errada. Mas você tem o poder de escolha: pode continuar usando a mesma estratégia e continuar se frustrando para o resto de sua vida ou pode mudar. Ao começar sua reforma ínterna, muitas vezes vai se deparar com o antigo padrão de comportamento querendo ser mais forte. Resista.

Voltando no tempo
Tente voltar um pouquinho no tempo. Onde você parou? Em que momento você se deixou para trás? Quando começou a esquecer de você em nome da dedicação ao outro? O que deixou de fazer que poderia fazer agora? Como pode começar?

Ouvindo sua essência
Uma das definições da palavra essência no dicionário é “a razão de ser”, “espírito”. É importante ouvir o que sua essência pede. Ela grita, pulsa por todos seus poros. Aprenda a ouvir sua essência. O que ela lhe diz neste momento? O que ela grita? Ouça, com atenção. O que ela lhe diz? Como começar a cuidar de você? Arrumando-se ou dando-se um presente? Caminhando ou fazendo alguma atividade física? Você tem capacidade de se amar e de se tratar com carinho. Olhe para sua vida e veja quanto amor você deu para os outros. Você tem esta capacidade, mas agora você vai direcionar para você. No começo não é tão fácil, mas lembre-se: para mudar uma hábito negativo para um hábito positivo, precisamos treinar. Treinar diz respeito a errar às vezes. Dê-se essa chance de tentar mudar.

Aprenda a ouvir sua essência, ela sempre o guiará para o caminho da realização. Siga sua essência. Seja leal com você mesmo. Sua essência é o melhor que existe em você. Aprenda a ouví-la.

Aprendendo a dizer não
Quem sabe você possa começar reaprendendo a dizer “não”. Quando você diz “não” toma novamente as rédeas de sua vida, volta a ocupar um espaço que há muito tempo está sendo invadido: seu espaço. Você já sabe que dizer “sim” o tempo todo em busca de amor e reconhecimento é uma estratégia que não lhe trouxe resultado nenhum até agora. Quanta vezes você disse sim, querendo dizer não. Desrespeitou-se para não contrariar o outro. Comece dizendo não. Ocupe novamente seu espaço. Quando você diz não, você mostra seus limites, mostra o que lhe agrada e o que não lhe agrada. Faz com que os outros o conheçam da forma como você é de verdade. Diga não. Pode ser que no início, você comece a “metralhar nãos”. Não se preocupe, isto acontece quando você pula de um extremo para outro. É importante a experiência de estar no outro extremo. “Antes eu só dizia sim, agora vou metralhar não”. Logo você perceberá quais são os “nãos” necessários e os desnecessários. Logo atingirá o equilíbrio. Diga não. O não liberta. “Não, não vou”, “não, não quero”, “não gostei”, “não permito”. Pode ser que você se torne um chato por alguns dias, mas não se preocupe, esta fase de chato também é necesária para sua mudança.

A fonte que acreditava ser externa a você, está exatamente em você. Agora que descobriu, sacie sua sede de amor, carinho, reconhecimento, respeito, valorização e tudo aquilo que que sempre quis, mas esperava do outro.

 

Nina Zobarzo - Terapeuta

 



publicado por Sou às 23:58
mais sobre mim
Agosto 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30



arquivos
2009

2008

2007

pesquisar neste blog
 
subscrever feeds
blogs SAPO